Zoonoses
Maurício Garcia e Luciana Sutti Martins

Leptospirose

Introdução

A Leptospirose, ou Enfermidade de Weil, é uma doença provocada por uma bactéria, causando diferentes síndromes, sobretudo reprodutivas, urinárias e circulatórias, sendo transmitida principalmente através da urina de roedores infectados. A doença foi descrita em 1880, no Egito, e em 1917 no Brasil. Atualmente a doença é de distribuição mundial, tendo maior prevalência em países tropicais e sub-tropicais.

Etiologia


Microfotografia eletrônica(Fonte:
http://www.prodam.sp.gov.br/sms/
zoonoses/diagnostico/leptospirose.htm)
 

A doença é provocada pela bactéria espiroqueta Leptospira interrogans. O agente é sensível à luz solar direta, aos desinfetantes comuns, à dessecação, às variações de pH e a temperaturas superiores a 40ºC. Todavia, pode sobreviver por vários dias em água (comprovadamente por até 180 dias) com pH neutro (7,2 a 7,4) e em solos com alta saturação de água, demonstrando sua preferência por locais úmidos. Sobrevivem também ao frio e mesmo ao congelamento - 100 dias a 20ºC negativos.

Apesar da doença ser causada por uma única espécie de bactéria, existem cerca de 200 sorotipos diferentes da Leptospira interrogans, conforme suas propriedades antigênicas. Tais sorotipos são atualmente agrupados em 20 sorogrupos. Tais variantes não possuem especificidade por determinados hospedeiros, mas possuem certas preferências. Por exemplo, o sorogrupo Icterohaemorrhagiae é o mais importante em termos de saúde pública, tendo com hospedeiro preferencial o rato de esgoto (Rattus norvegicus). Já o sorogrupo Pomona tem tropismo pelos suínos e o Hardjo, por bovinos.

Epidemiologia

Fonte de infecção: diversas espécies animais podem atuar como FI, tal como roedores, carnívoros, marsupiais, quirópteros, lagomorfas e primatas bem como todos os animais domésticos (bovinos, suínos, cães, etc.). Todavia, em termos de zoonoses, os roedores desempenham um papel epidemiológico mais importante que os demais.

Veja texto sobre biologia e controle de roedores

Via de eliminação: urina é a principal via de eliminação. Sêmen e líquido vaginal também podem eliminar leptospiras.

Via de transmissão: contato com água e/ou solo úmido contaminados com leptospiras provindas de animais infectados. Outras vias são a direta, por contato com a urina, sangue e tecidos ou outros órgãos de animais infectados, monta natural e IA. Alimentos contaminados são vias de transmissão, mas a via oral é considerada pouco eficiente pois são sensíveis ao pH gástrico.

Porta de entrada: pele e tecidos lesados, seguida da mucosa genital, nasal, oral e conjuntival. Pode também penetrar por pele íntegra, desde que tenha ficado imersa em água por longo período (dilatação dos poros).

Susceptíveis: mamíferos em geral (inclusive o homem).

Patogenia

Penetração do agente ocorre através de pele lesada e mucosas, podendo também penetrar por pele íntegra, desde que tenha ficado imersa em água por longo período (dilatação dos poros), sendo que o período de incubação é de 1 a 2 semanas. Uma vez no agente, ocorrem duas fases distintas:

Fase de leptospiremia: fase de multiplicação do agente na corrente circulatória e em vários órgãos (fígado, baço e rins, principalmente). Ocorrem lesões mecânicas em pequenos vasos, causando hemorragias e trombos, que levam à infartes teciduais. A icterícia ocorre principalmente devido à lesão hepática, e não à destruição de hemácias. O rim começa a ter problemas de filtração. Há uremia e o animal apresenta hálito de amônia. Este é o quadro agudo da doença no homem e no cão. A duração desta fase é de aproximadamente 4 dias (raramente chega à 7 dias). Em outras espécies percebem-se somente problemas reprodutivos, porém tais problemas são contribuem para a baixa produtividade da pecuária nacional e mundial, causando diminuição da fertilidade e abortamentos.

Fase de leptospirúria: é a fase de imunidade é caracterizada pela formação crescente de anticorpos com estabelecimento das leptospiras em locais de difícil acesso aos mesmos. Formam massas nos túbulos contornados renais, na câmara anterior do globo ocular, no sistema reprodutivo (vesícula seminal, próstata, glândula bulbo-uretral). A leptospirúria pode ser intermitente e durar de meses a anos.

Sintomas

As manifestações clínicas da leptospirose e sua gravidade são extremamente variáveis. Em alguns animais não há infecção aparente, o que os tornam portadores sãos ou convalescentes, que eliminam as leptospiras pela urina por 38 dias no mínimo, podendo se manter como tal por anos.

Bovinos: febre de 4 a 5 dias, anorexia, conjuntivite e diarréia. Diminuição brusca do leite (mastite atípica). Os sintomas mais notórios são o abortamento (1 a 3 semanas após início da infecção) e a hemoglobinúria. Pode apresentar retenção de placenta, nascimento de crias fracas e infertilidade como seqüela da infecção. Alta taxa de morbidade. Bezerros são mais susceptíveis.

Suínos: abortamento (15 a 30 dias após infecção), nascimento de leitões fracos, icterícia, hemoglobinúria, convulsões e transtornos intestinais. É um reservatório muito importante de Pomona, com leptospirúria abundante e prolongada.

Eqüinos: maioria das infecções são inaparentes. O que se observa é uma oftalmia periódica após ter passado a fase febril. Porém há descrições de casos de leptospirose com sintomas hepatonefríticos e cardiovasculares.

Cães e gatos: em cães, a forma mais grave, a hemorrágica, se instala repentinamente com febre por 3 a 4 dias, seguida por rigidez e mialgias nos membros posteriores, hemorragias na cavidade bucal. Em etapa posterior pode haver gastroenterite hemorrágica, icterícia e nefrite aguda. A letalidade é estimada em 10%. Em gatos a enfermidade raramente ocorre.

Roedores: estão perfeitamente adaptados às leptospiras e não manifestam sintomas ou lesões.

Diagnóstico


Microscopia de campo escuro (Fonte:
http://www.prodam.sp.gov.br/sms/
zoonoses/diagnostico/leptospirose.htm)
 

Diagnóstico direto (pesquisa das leptospiras): é feito o exame histopatológico de fragmentos de órgãos corados pelo método de Lavaditi e a microscopia de extensões obtidas a partir de sangue, urina, sêmen ou conteúdo estomacal de fetos abortados, coradas pelo método Fontana-Tribondeau. Pode ser feito também o isolamento em meios de cultivo (meio de Fletcher), o exame direto em microscopia de campo escuro e o isolamento por inoculação experimental em animais de laboratório (hamster, cobaio jovem).

Diagnóstico indireto (sorologia): prova de soroaglutinação microscópica (SAM) – a reação de microaglutinação com antígenos vivos é a prova sorológica de escolha para a confirmação do diagnóstico de leptospirose. Enviar ao laboratório ao menos 1 mL de soro não hemolisado, de colheita recente, refrigerado ou congelado. O ideal é enviar ao menos 2 amostras, com intervalo de 2 a 4 semanas.

Observações importantes: só é possível a detecção de IgM e IgG, sendo assim, para saber o sorotipo presente, deve-se proceder o isolamento (SAM é técnica sorogrupo específica e não sorotipo específica). Os anticorpos aparecem aos 7 dias da infecção e podem durar em média 6 a 7 anos e, provavelmente, por toda a vida do animal. O diagnóstico de leptospirose só poderá ser estabelecido após a conversão sorológica, com o aumento dos títulos aglutinantes entre duas coletas de soro obtidas com intervalo de 2 a 4 semanas. Título constante ou decrescente é considerado como consequência de uma infecção passada ou vacinação. Podem também ocorrer falsos negativos, quando o animal estiver em início de infecção. Provas negativas não livram o animal de serem portadores renais, podendo ou não produzirem anticorpos em maior concentração, detectável pela prova.

Tratamento

Dose única de 25 mg/kg de diidroestreptomicina, por via intramuscular. A estreptomicina é nefrotóxica, não devendo ser fornecida aos animais em quadros agudos de leptospirose (pequenos animais, bezerros) para estes, oferecer penicilina e outros, esperando que o animal saia desta fase aguda para utilizar a estreptomicina.

Controle

Na fonte de infecção: controle de roedores. Isolamento, diagnóstico e tratamento de animais doentes.

Na via de transmissão: destino adequado das excretas, limpeza e desinfecção química das instalações (uso de derivados fenólicos). Drenagem da água das pastagens, não utilizar sêmen suspeito .

Nos suceptíveis: as vacinas de contra a leptospirose são bacterinas (cultura morta) e por isso a sua imunidade é baixa e previnem contra a sintomatologia clínica. Há relatos de animais que apresentam leptospirúria após a vacinação. O esquema da vacinação adotado vai depender da prevalência da doença na região. Em locais endêmicos, recomenda-se vacinação a cada 6 meses. Se não for o caso, uma vez por ano.

Vacinas disponíveis no mercado

Vacina

Fabricante

Espécies

Sorotipos/sorovares

Canigen CH(A2)PL* e PPi/LR *

Virbac

C

canícola e icterohaemorrhagiae

CanigenCHa2 PPi/LCV*

Virbac

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Canigen L

Virbac

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Cattle Master 4+L5*

Pfizer

B

canicola, grippottphosa, hardjo, icterohaemorhagiae e pomona.

Eurican CHPL*

Merial

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Eurican CHPLR*

Merial

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Farrowsure B*

Pfizer

S

canícola, grippotyphosa, hardjo,icterohaemorrhagiae, pomona e bratislava.

Galaxy DA2 P+L*

Fort Dodge

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Galaxy DA2 PPV L*

Fort Dodge

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Lepto 5 Tipos

Merial

B

canicola, grippotyphosa, icterohaemorrhagiae, hardjo, pomona.

Lepto Bac

Fort Dodge

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Lepto Bac 6

Fort Dodge

B E S

interrogans, sorotipos: canicola, grippotyphosa, icterohaemorrhagiae, pomona, wolfi e hardjo.

Lepto-Bov-6

Vallée

B

hardjo; pomona; wolffi; canicola; gripotyphosa; icterohaemorrhagie.

Leptoferm 5/2ml

Pfizer

B S

canicola, grippotyphosa, harjo, icterohaemorrhagiae e pomona.

Leptospirovac-B

IRFA

B

hardjo, icterohaemorrhagiae, bratislava, pomona.

Leptospirovac-C

IRFA

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Leptospirovac-S

IRFA

S

canicola, icterohaemorrhagiae, pomona, bratislava, hardjo.

Leptovac 6

Hertape

B O Cp S

canicola, grippotyphosa, hardjo, icterohaemorrhagiae, pomona, wolffi,

Leptovacin

Bio-vet

B O Cp E C G

canicola, icterohaemorrhagiae, copenhagen, pomona, grippotyphosa e bratislava.

Multi-Dog*

Hertape

C

canicola, icterohaemorrhagie, pomona e grippotyphosa

Nobivac L

Intervet

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Octa-Cino-Vacin*

Bio-vet

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Parvo Lepto 6*

Fort Dogde

S

pomona, grippotyphosa, canicola, icterohaemorrhagiae, wolffi e hardjo.

Poli-Cino-Vacin*

Bio-vet

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Six-Dog*

Hertape

C

canicola e icterohaemorrhagiae

Suvaxyn L6

Fort Dogde

S

pomona, grippotyphosa, canicola, icterohaemorrhagiae, bratislava, hardjo .

Tandem 9K*

Merial

B

canícola, gripotyphosa, hardjo, icterohaemorrhagiae e pomona.

Tissuvax 3*

Coopers

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Tissuvax Max*

Coopers

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Tri-Cino-Vacin*

Bio-Vet

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Tri-Dog*

Hertape

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Tridog*

Vallée

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vacina Quadrivac*

Leivas

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vanguard 5/CV-L*

Pfizer

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vanguard DA2PL*

Pfizer

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vanguard HTLP 5/CV-L*

Pfizer

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vencosix-Plus*

Vencofarma

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vencothree*

Vencofarma

C

canícola e icterohaemorrhagiae

Vencothree-Plus*

Vencofarma

C

canícola e icterohaemorrhagiae

* vacinas associadas B: bovinos; C: cães, Cp: caprinos, E: eqüinos, G: gatos, O: ovinos, S: suínos

Links úteis

Leptospirose SMS - São Paulo

O que você precisa saber

  1. Qual é o agente etiológico da leptospirose e quais suas características?
  2. Qual a diferença entre sorogrupo e sorotipo ?
  3. Qual a patogenia da leptospirose ?
  4. Qual a epidemiologia da leptospirose ?
  5. Como é feito o diagnóstico da leptospirose e como devem ser enviadas as amostras ao laboratório?
  6. Como é feito o tratamento da leptospirose e qual sua finalidade ?
  7. Como deve ser feito o controle da leptospirose ?